Big Data e Internet das Coisas: entenda essa relação

3 Pessoas de costas sentadas trabalhando em fente ao computador

Compartilhe

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter

Todos os dias, pessoas geram uma quantidade gigantesca de informações que constituem o Big Data. E, com o advento da Internet das Coisas, surgiram novos canais que produzem dados valiosos sobre hábitos dos mais diversos tipos de indivíduos e organizações. Neste post, vamos falar sobre esses 2 conceitos e explicar a relação entre eles. Isso de forma que você possa acrescentar valor aos seus negócios e ganhar uma visão gerencial do futuro.

Continue lendo e confira a relação entre Big Data e Internet das Coisas:

O que é Big Data?

O conceito de Big Data se refere ao imenso volume de dados estruturados e não estruturados — gerados por meio dos mais diversos dispositivos conectados à internet — que pode impactar os negócios e à utilização dessas informações para a tomada de decisões estratégicas.

Com a difusão de serviços de internet mais velozes e robustos, é cada vez maior a quantidade de informações que circulam pela rede. E, atualmente, dispositivos se conectam à internet, geram dados relevantes. Estes somados ao restante de informações geradas por outros meios, formam o que chamamos de Big Data.

O que é Internet das Coisas?

A Internet das Coisas (do inglês, Internet of Things) é a proposta de conectar dispositivos à rede mundial de computadores. É o que hoje já experimentamos em diversos aparelhos, como relógios, televisores e até mesmo geladeiras.

O foco desse conceito é promover uma integração e comunicação entre tudo que é útil no nosso cotidiano. Isso de forma que todos os objetos possam antever as nossas necessidades e, assim, poupar o nosso tempo e facilitar a nossa vida.

Atualmente, as principais aplicações da Internet das Coisas são:

  • a automação de edifícios;
  • os sistemas de vigilância;
  • a coleta de informações para decisões estratégicas em negócios;
  • a segurança física de edifícios.

Contudo, esse panorama tende a mudar bastante em um futuro próximo com o surgimento de novas demandas e soluções. Tal conceito está em constante evolução e, principalmente, expansão. Segundo dados da consultoria Gartner, até o final de 2016, 6,4 bilhões de aparelhos com conectividade circularão pelo mundo, o que representa um número 30% maior que em 2015.

Qual é a relação entre Big Data e Internet das Coisas?

O Big Data vem sendo entusiasticamente relacionado às tecnologias da Internet das Coisas. Em um mercado cada vez mais competitivo, as empresas se desdobram para entregar produtos e serviços que sejam, no mínimo, atrativos e que tenham um diferencial frente aos seus concorrentes. Nesse contexto, há uma gama de situações em que se verifica a correlação entre os conceitos de Big Data e Internet das Coisas, assim como algumas tendências. Veja:

A otimização das relações de consumo

Integrar tais conceitos, no futuro, pode ser a chave para que o comércio atue estrategicamente frente a real necessidade do seu cliente.

Por exemplo, imagine a seguinte situação: Um cliente visita uma loja à procura de um tênis de corrida. Enquanto isso ele compara pela internet em seu smartphone o preço do produto com o de outras empresas do mesmo segmento. E ainda visualiza avaliações de outros usuários sobre a mercadoria.

Enquanto isso, o tênis que está usando tem um sensor embaixo de sua palmilha e coleta informações sobre o peso de sua pisada, que são enviadas automaticamente à internet. Em tempo real, a loja em que está envia ao smartphone do cliente (baseado em sua localização), como sugestão, uma lista de produtos que suportem o peso e que atendam às suas reais necessidades.

Assim, apesar da avassaladora concorrência disponível a apenas alguns cliques na internet, a loja em questão se beneficia dos dados disponibilizados a partir do Big Data para garantir uma venda presencial mais direcionada.

Esse imenso volume de dados disponíveis e agora coletados — não somente por redes sociais, mas por coisas usadas no dia a dia das pessoas — contém informações preciosas para que as empresas obtenham insights e direcionem as suas ações estratégicas de negócio.

A melhor eficiência dos serviços públicos

Não é difícil vislumbrar uma situação na qual a internet pode ser útil para a prestação de serviços públicos. Situações corriqueiras em grandes cidades, como aguardar o ônibus, podem ser mais interativas e simples para o usuário.

A partir da junção da IoT e do Big Data, é plenamente possível coletar informações relacionadas ao itinerário do coletivo urbano, bem como o seu tempo de deslocamento até o ponto em que o usuário está (situação bem semelhante ao que ocorre com a operação dos serviços da gigante Uber).

Além disso, é possível fazer uma gestão mais eficiente de recursos energéticos, tanto em escala residencial quanto empresarial. Isso a partir de dispositivos conectados à internet que serão capazes de analisar, de forma individualizada, o funcionamento de cada aparelho ou máquina, apontando o seu gasto energético. Assim, por meio das informações fornecidas é possível criar mecanismos de automação que aliem produtividade com gasto energético.

A evolução do mercado financeiro

Tratando-se de comunicação de dados e de informações, o mercado financeiro ganha destaque. Poucos setores são tão beneficiados pela junção dos conceitos de Big Data e Internet das Coisas.

O mercado financeiro, como propulsor de novas tecnologias, busca a todo momento encontrar soluções que facilitem a vida dos seus clientes e que otimizem a operação dos seus serviços. Atualmente, esse mercado já se vale da internet para desempenhar grande parte das suas atividades. E, mais do que isso, migra para diferentes dispositivos e plataformas.

A tendência para os próximos anos é que mercado financeiro se torne ainda mais virtual. Além de utilizar massivamente dispositivos móveis e canais on-line para a prestação de seus serviços. Além disso, segundo a consultoria Gartner, a inteligência artificial também está entre os focos desse mercado.

De fato, tais afirmações deixam claro a importância do Big Data para que essas mudanças ocorram. Grande parte dos algoritmos se baseiam nas informações do Big Data.

Portanto, pensar nesses 2 conceitos é pensar no futuro dos negócios e da tecnologia. Como você pôde perceber, essa realidade já está no presente. Ela evolui para um futuro cada vez mais conectado e baseado em informações valiosas, precisas e imediatas.

Você gostou deste post sobre Big Data e Internet das Coisas? Então deixe um comentário neste texto e compartilhe, com a gente e com os nossos demais leitores, a sua opinião e as suas ideias sobre o assunto!

Breno Lessa

Breno Lessa

CDO SGA TI em Nuvem

Inscreva-se em nossa newsletter!

Acesse em primeira mão, nossos principais posts e conteúdo no seu e-mail.

Translate

Logística

Gestão de depósitos e silos

Posição física e financeira, em tempo real, de todo o estoque de grãos.

Análises por grãos, clientes, moedas e unidades de recebimento.  

Otimização da logística interna.  

Melhor eficiência administrativa do silo e armazém.

Soluções

Roteirização Inteligente

Evite a perda de produtos ocasionada pelo acondicionamento incorreto em transportes de longas distâncias.

Defina a rota mais viável

Conte com assistência de recomendação das melhores rotas de contorno para o condutor.

Previsão de demanda

Simule cenários de produção, antecipa a demanda produtiva e realize ajustes na operação com base em insights extraídos dos dados.

Automação de processos

Reduzo riscos e aumente a produtividade automatizando fluxos de automação de processos que demandam pouco ou nenhuma tomada de decisão.

SGA Bot

Conte com informações detalhadas da operação na palma de suas mãos por meio de um assistente inteligente.

Interessado?